terça-feira, 14 de abril de 2009


Tu sabes o que fazes.
Sabes o que fazemos?
Mentimos...
Gostas do que fazes?
Amanha não vou voltar atrás
Vamos ser nós, parar de ser outros
Vamos ser um de cada vez
Livres

Quero que paremos de nos identificar a outras pessoas. Quero ficar livre e que parem de me comparar a outras pessoas. Quero que essas pessoas parem de se comparar a outras pessoas. Quero ver o mundo a partir de mim, vê-lo e descrevê-lo como eu mesma o vejo, não como as outras pessoas querem que eu o veja. Quero mentir acerca da falsidade que me rodeia, se ela fosse palpável já cheguei a pôr em questão se o Planeta conseguiria suportar o seu peso. Quero que as pessoas possam viver a sua vida sem estarem constantemente a compararem-se umas com as outras, sem que a cobiça e a hipocrisia seja o prato principal e a falsidade melodramática a sobremesa. Pensando bem até agora, após ter tido a mesma conversa repetidamente com várias pessoas que conheço, cheguei á conclusao de que isto se trata de um desejo que nunca se vai realizar, apesar de extremamente ingénuo achei que fosse possível.
Então agora quero:
Quero ficar sozinha. Quero que me abandonem. Quero que não me contagiem. Quero ser livre de vocês cujos pensamentos podres e poluidos são como uma doença extremamente contagiosa. Quero alguém que nos seus dias de pura falsidade e de extrema hipocrisia venha falar comigo como se fosse uma pessoa "normal" para que possa ter uma conversa inteligente com alguém com uma sanidade mental acima da média. Não me quero encaixar ou pertencer aos padrões de que a comunidade chama de "normalidade"! Quero ser livre e pensar sempre assim, como penso agora. Quero poder continuar a descobrir o lado horrivel e tenebroso da Humanidade, contudo eu não me excluo! Eu sei quem sou, mas também sei que me controlo mais do que muitos e sei sobre o que pensamos mesmo não querendo, sei os nossos mais infimos e podres segredos que nem mesmo os que os guardam sabem que os têm. Confuso? Nem tanto.
A mente humana é tão estupidamente fácil e compreenssível. Os mais sensiveis e afastados da comunidade e/ou de grandes centros sabem-no, não? Eu sei que sim. O porquê de sentirmos o que sentimos é mais fácil de descobrir do que o que muitos pensam.
E com isto tudo o que escrevi em cima...reparei que não escrevi quase nada do que quero ainda escrever! Quero fazer ver a todos o que penso...é impossivel! Irei escrever mais em breve, I hope.
Postar um comentário