domingo, 10 de maio de 2015

Esqueci-me

Esqueci-me de que coroas são nada mais que pesos em cabeças de pessoas comuns
Esqueci-me que pessoas comuns comandam mais o meu destino que eu

Esqueci-me que pessoas não são ilhas,
Mas Ilhas têm mais vida que muitas pessoas.

Esqueci-me de cidades destruídas pelas guerras,
Esqueci-me de que essas mesmas cidades ainda continuam em guerra.

Esqueci-me de que as cores das folhas mudam em cada estação
E que assim como as folhas também irei mudar

Esqueci-me até da minha própria cor
Ou talvez apenas tenha esgotado até da merda do quanto isso me importa

Esqueci-me que o caminho para Utopia não é o mesmo que o de Roma
E que Utopia parece tão mais perto quando acompanhada por ti

Esqueci-me de que nem tudo são rosas
Esqueci-me de que corpos também flutuam

Esqueci-me daquilo de que mais me quero esquecer
E é dificil.

Esqueci-me da minha raiva
Esqueci-me que esta vive no meu maxilar e está implantada na minha lingua

Esqueci-me da minha lingua
Esqueci-me de poder durmir, de viver para te servir
Esqueci-me de quando comecei a escrever

Esqueci-me de que o meu próprio coração está em guerra
E merda. Lembras-te? Esqueci-me da minha lingua

Esqueci-me de que todas as manhãs vejo Utopia
E esqueci-me de que dias são feitos de manhãs

Ou talvez até me esqueci da merda da qual já nem me importo
Ás vezes até me esqueço o quão dificil é lembrar-me.



Postar um comentário