terça-feira, 2 de setembro de 2008

Touch




Nunca me irei esquecer do toque.
o toque que excluí,
o toque que trazia repugna…
O lascivo toque

A mao que descia devagar
na pele nua, como que a divagar…
Mais um toque;
profundo toque que fervilhava envolto de luxúria.

As lágrimas que por dentro me asfixiavam e desciam devagar,
acompanhavam o toque.
Só por mais uma vez, terei de aguentar
o toque que me arrepia a alma e me gela o coração

Finalmente o adeus!
o toque desvanece com o final de uma amizade...
Finalmente luz? ou ilusão?
Não foi estúpido da minha parte temê-lo…
Tudo o que se receia mata-se!

O toque agora sangra
Não pede desculpa pelo que fez.
afinal aquela que ele ama
desistiu e quebrou-se...de vez
Postar um comentário